Eventual participação de Moro racha Ato Virtual em defesa da Democracia

 

image
Foto: Reprodução

A eventual participação de Sérgio Moro, ex-juiz da Lava Jato e ministro de Bolsonaro, no ato virtual pela Democracia, organizado pelo movimento ‘Direitos Já’, rachou o evento. O evento está marcado para amanhã sexta-feira (26).

A inclusão de Moro no ato foi proposto pelo deputado José Nelto (Podemos-GO).

Alguns dos convidados se posicionaram de forma contrária à  participação do ex-juiz e ministro de Bolsonaro. Entre eles, o também ex-ministro Aldo Rebelo que pediu “que o avisem quando acontecer”.

Outro é Guilherme Boulos que avisou se Moro entrar ele sai: “Se ele entrar por uma porta, eu saio por outra”.

Os ex-presidentes Sarney e Temer que haviam confirmado presença, ontem desistiram. Alegaram que o ato havia se transformado em movimento contra Bolsonaro.

Está claro que a união de forças políticas em defesa da Democracia, nos moldes do movimento ‘Diretas Já’, não acontecerá.

Mas, não é apenas Moro que dificulta uma união desse nível no país. O estrago e polirazação política nos últimos anos no Brasil foi maior que se imagina. (Informações de Mônica Bergamo)

Ato Virtual reunirá FHC, Haddad, Flávio Dino, Sarney, Ciro Gomes e outros

 

Ato virtual com lideranças políticas e representantes de várias entidades e instituições acontecerá na proxima sexta-feira (26). Segundo a coluna Painel da Folha de S.P, o evento é organizado pelo Sociólogo Fernando Guimarães, coordenador do grupo ‘Direitos Já.

Estão confirmadas as participações de Fernando Henrrique (PSDB), José Sarney (MDB), Michel Temer (MDB), Flávio Dino (PCdoB), Fernando Haddad (PT), Ciro Gomes (PDT) e Guilherme Boulos (PSOL).

Também deverão participar do ato Dias Toffoli (Presidente do STF), Felipe Santa Cruz (Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil), Odilo Scherer (Arcebispo Metropolitano de São Paulo) e o apresentador Luciano Huck.

O ex-presidente Lula também foi convidado, mas disse  que não participará. O ex-juiz e ministro da Justiça, Sergio Moro, não foi chamado.