Mendonça vai para o STF após ‘molho histórico’

Por 47 votos a 32, o Plenário do Senado Federal aprovou nesta quarta-feira, dia 1º de novembro, a indicação de André Mendonça para o STF.

A realização da sabatina e votação dele estava parada a quatro meses na CCJ.

Ele foi advogado-geral da União e ministro da Justiça do governo Bolsonaro. Sua escolha pelo presidente foi parte da promessa de um nome com perfil de ‘terrivelmente evangélico’.

Mais cedo após ser sabatinado na Comissão de Constituição e Justiça sua indicação foi aprovada por 18 votos a 9.

Ele vai ocupar a vaga deixada pelo ministro Marco Aurélio.

Agora é oficial: governo indica ‘terrivelmente evangélico’ para o STF

Está publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira, dia 13, a indicação de André Mendonça ao STF para a vaga do ministro Marco Aurélio, que se aposentou.

Ainda em 2019 Jair Bolsonaro prometeu escolher um nome ao Supremo Tribunal Federal que fosse ‘terrivelmente evangélico’.

A escolha de André Mendonça, que também é pastor evangélico, tem objetivo de sinalizar e agradar o seguimento evangélico, fatia significativa do eleitorado de Jair Bolsonaro.

André Mendonça, 48 anos, é paulista e advogado da União desde 2000. Formado em ciências jurídicas e sociais pelo Centro Universitário de Bauru (SP), em 1993; especialista em direito público na UnB (Universidade de Brasília); doutor e mestre em Direito pela Universidade de Salamanca na Espanha. Na AGU, atuou destacadamente na área de combate à corrupção.