Tanta ‘amor’ para isso: Donald Trump está abandonando Bolsonaro

 

ocde
Foto: Reprodução

O governo dos EUA recusou endossar a tentativa do Brasil de ingressar na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), postura contrária a qui vinha anunciação a meses.

O secretário de Estado, Michael Pompeo, rejeitou pedido para discutir mais ampliações do clube dos países mais ricos, de acordo com uma cópia de uma carta enviada ao secretário-geral da OCDE, Angel Gurria, em 28 de agosto.

Ele acrescentou que Washington apoiou apenas as ofertas de membros da Argentina e da Romênia.

Em março, o presidente Donald Trump disse em entrevista coletiva conjunta com o presidente brasileiro Jair Bolsonaro na Casa Branca, que apoiou o Brasil na adesão ao grupo de 36 membros. Em julho, o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, reiterou o apoio de Washington ao Brasil durante uma visita a São Paulo. (Revista Fórum)

Indicado para PGR, Augusto Aras, é sabatinado no Senado Federal

 

Subprocurador-geral da República Augusto Brandão Aras
Sub-procurador Augusto Aras/ Foto: Reprodução

Os membros da Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal estão sabatinando nesta quarta-feira (25), o procurador indicado por Bolsonaro para substituir Raquel Dodge na Presidência da Procuradoria Geral da República.

Após a sabatina encaminharão o parecer para deliberação no plenário. Para ser aprovado Aras necessita na CCJ (maioria simples); no Plenário necessita de pelo menos 41 votos.

Atacado na ONU por Bolsonaro quem é o líder indígena Raoni

 

VATICAN-BRAZIL-POPE-RAONI
Foto: Reprodução

Chamado de “peça de manobra” pelo presidente Bolsonaro em discurso na ONU nesta terça-feira (24), em Nova York, o líder indígena Raoni foi lançado recentemente à disputa pelo Prêmio Nobel da Paz de 2020 por entidades indigenistas e ambientalistas.

Aos 89 anos, o cacique kaiapó Raoni Metuktire é um dos principais porta-vozes da causa indígena em todo o mundo. A irritação de Bolsonaro com Raoni se deu em razão de encontros esse dele com o presidente da França, Emmanuel Macron, e o Papa Francisco.

Com décadas de militância em defesa da preservação da floresta amazônica e dos povos indígenas, Raoni ganhou notoriedade internacional em 1987, quando se encontrou em São Paulo com o cantor inglês Sting. (Congresso em Foco).

Sérgio Moro poderá ser substituído pelo general Guilherme Teophilo

 

teophilo
General Guilherme Teophilo e Sérgio Moro/Foto: Reprodução

A saída do ministro da Justiça, Sérgio Moro, é dada como certa por vários setores da imprensa brasileira e nos bastidores do Planalto. Já teria até substituo no Ministério da Justiça, o general Guilherme Teophilo filiado ao PSDB, Secretário Nacional de Segurança Pública.

Uma longa reportagem nesta quinta-feira (2), da Revista Época detalha os motivos da queda do ex-juiz federal alçado a condição de super-ministro no governo Bolsonaro.

Moro que já vem sofrendo um processo de fritura, segundo o colunista Guilherme Amado, da Época, a gota d’água será a demissão de Maurício Valeixo da direção-geral da Polícia Federal (PF), que poderá ter como substituto alguém não indicado pelo Ministério.

(Revista Fórum)

Rodrigo Maia não estará ao lado de Bolsonaro no 7 de Setembro

 

bozo e maia
Jair Bolsonaro (PSL) e Rodrigo Maia (DEM) Foto: Reprodução

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não irá ao desfile de 7 de setembro do governo de Jair Bolsonaro em Brasília. Maia está viajando ao Quatar.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), representará Congresso Nacional, ao lado de Bolsonaro no desfile.

No último ano do governo em 2018, no último 7 de setembro de Michel Temer como presidente, nem Rodrigo Maia e o então presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), não compareceram.

Inquérito contra ‘Helio Negão’ teria motivado ira de Bolsonaro com a PF

 

helio
Foto: Reprodução

A ofensiva do presidente Jair Bolsonaro contra a polícia Federal teria sido motivado por uma investigação contra o deputado federal Hélio Lopes (PSL-RJ), o Hélio Negão. Bolsonaro ficou indignado ao saber do inquérito, daí a decisão dele de exonerar o superintendente da PF no Rio, Ricardo Saadi, e nas ameaças de demissão do diretor-geral do órgão, Maurício Valeixo, contrariando Sergio Moro.

De acordo com  Revista Veja, o inquérito restá relacionado a crimes cometidos há mais de quinze anos. Bolsonaro viu no caso uma ação da PF para tentar intimidar seu grupo político.

“Não adianta fazer essa campanha contra a minha pessoa, contra minha família. Agora contra quem está do meu lado também, que está para estourar um problema aí. Um problema não, uma falsa acusação sobre uma pessoa importante que está do meu lado”, declarou Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada.

(Informações Revista Fórum)