Bolsonaro e Mourão beneficiados com salários acima do teto

Do Uol

Portaria publicada no último dia 30 de abril pelo Ministério da Economia permitirá a reservistas e servidores públicos aposentados que exercem também determinados cargos públicos receber acima do teto constitucional, atualmente em R$ 39,2 mil.

Com a nova regra, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), por exemplo, deverá ter um “aumento” de R$ 2,3 mil por mês e o vice-presidente Hamilton Mourão, de R$ 24 mil mensais.

Com a nova regra, Bolsonaro deverá passar receber o valor bruto total de R$ 41.544. Já Mourão passará a receber R$ 63.511 de remuneração bruta.

“expressão do que há de pior no patrimonialismo político no MA”, Márcio Jerry sobre Roberto Rocha

O secretario de Cidades do Estado, Márcio Jerry, reagiu fortemente nas redes sociais nesta segunda-feira, dia 3, contra o senador Roberto Rocha, que fez coro ao mais recente ataque do presidente Bolsonaro ao governo do Maranhão e ao PCdoB, presidido no estado por Márcio Jerry.

“O inexpressivíssimo senador Roberto Rocha tenta pegar carona no genocida Bolsonaro para atacar o PCdoB e por extensão a imensa maioria dos maranhenses que democraticamente elegeram e reelegeram em primeiro turno o governador Flávio Dino (..) Roberto Rocha não seria jamais senador sem o apoio do @PCdoBMaranhao em 2014. A propósito, após trair o grupo que o elegeu, o sonolento senador amargou uma acachapante derrota em 2018, quando rastejou em 2% dos votos (..) Roberto Rocha, só pra lembrar, é a expressão do que há de pior no patrimonialismo político no MA. Pensamos sinceramente que tinha regenerado e o elegemos em 14; mas logo vimos o quanto em verdade ele tinha degenerado’, reagiu Márcio Jerry.

“Haveremos de recuperar nosso protagonismo global”, lamenta Flávio Dino

O governador Flávio Dino (PCdoB), lamentou nesta quinta-feira, dia 22, a situação do Brasil aos olhos do mundo, após o discurso de Bolsonaro durante abertura da Cúpula do Clima hoje que está discutindo metas em defesa do meio ambiente.

De acordo com Flávio Dino, além da fala do presidente ficar no ‘final da fila foi ‘excessivamente genérica’.

“O presidente brasileiro ficou no fim da fila dos líderes a discursar. E o presidente dos Estados Unidos não ficou para ouvir. Ou seja, a esdrúxula diplomacia do Brasil como “pária mundial” foi bem-sucedida. Lamento muito. Haveremos de recuperar o nosso protagonismo global (..) Além de excessivamente genérico, o discurso de Bolsonaro tem um grave problema: é incoerente com a realidade. Faltam ações que deem amparo às palavras. Basta ver a situação absurda do Fundo Amazônia, paralisado desde 2019”, disse Dino twitter.

Estão alegando ‘ligações sanguinhas’ para tirar Renan da relatoria da CPI

Com instalação marcada para o próximo dia 27, a CPI da Covid-19 segue polêmica desde o nascedouro. O foco da ‘tropa de choque’ bolsonarista no Senado agora está na relatoria.

O senador Marcos Rogério (DEM-RO), um dos preferidos de Bolsonaro para ocupar a presidência ou relatoria da CPI, está alegando ‘laços sanguinhos’ para impedir na relatoria, Renan Calheiros, pai do governador de Alagoas, Renan Filho de Alagoas.

“Eu não gostaria de ver o Flávio Bolsonaro relatando a CPI. Agora, do mesmo jeito que eu acho que não é ideal o filho do presidente ser relator, o filho ou o pai de algum possível investigado, ainda que indiretamente, não é adequado”, disse Marcos Rogério.

O objetivo é fortalecer o governo Bolsonaro na CPI ocupando posições estratégicas, como a relatoria que poderá ser ocupada pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL). (Congresso em Foco)

Cidadania pede para o senador Jorge Kajuru deixar o partido

Do Congresso em Foco

O Cidadania em nota publicada no fim da tarde desta segunda-feira, dia 12, confirma o pedido de saída do senador Jorge Kajuru, da legenda.

O motivo foi a conversa do senador com o presidente Bolsonaro sobre a CPI da Covid-19 divulgada ontem nas redes sociais.

“.. flagrantemente se discute e se comete um crime de responsabilidade (..) Nesse sentido, o partido fará um convite formal, com todo o respeito pelo senador, para que ele procure outra legenda partidária”, diz parte da nota.

Kajuru deve se filiar no Podemos comandado pelo senador Alvaro Dias.

“Que princípios cristãos são esses do Presidente?”, questiona Elizane Gama

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), questionou nesta quinta-feira, dia 8, os ‘princípios cristãos’ do presidente Jair Bolsonaro.

Para ela, o Palácio do Planalto, não tem se empenhado no enfrentamento à crise sanitária para evitar a morte de milhares de brasileiros como deveria, ao contrário tem atuado no sentido de provocar mais mortes, como decretos que aumenta o número de armas nas mão dos cidadãos.

“Em mais de 1 ano de pandemia, o governo federal ñ editou nenhum decreto sobre vacina, pesquisa, medicina p/ salvar vidas. Mas editou decretos p/ provocar mortes, p/aumentar a qtde de armas nas mãos dos cidadãos e fortalecer clubes de tiros. Q princípios cristãos são esses do PR?”, questionou Eliziane.

Hoje o STF concluiu o julgamento sobre realização de cultos, missas e outras atividades religiosas coletivas durante a pandemia. O presidente Bolsonaro é a favor da realização presencial das celebrações.

Por 9 a 2 o plenário decidiu a favor da medida adotada pelo Estado de São Paulo, de proibir esse tipo de atividades religiosas nesse momento.

“..o Butantan é especialista na anti-rábica..”, Dória para Bolsonaro

João Dória governador de São Paulo, em resposta a Jair Bolsonaro nas redes sociais, nesta quinta-feira dia 8, sugeriu a vacina anti-rábica ao presidente, utilizada para combater a raiva.

A manifestação de Dória se deu em razão da informação publicada na coluna da jornalista Mônica Bergamo, em que revela adjetivos, nada republicanos, proferidos por Bolsonaro contra ele.

O presidente durante jantar ontem, quarta-feira dia 8, com um grupo de empresários em São Paulo, teria chamado o governador João Dória de “vagabundo” e “caralho”.

Comandantes do Exército, Aeronáutica e Marinha pedem demissão

Da Folha de SP

Estremecimento da relação de Bolsonaro com Forças Armadas parece ter causado feridas difíceis de sarar.

Nesta terça-feira, dia 30, os generais Edson Leal Pujol (Exército), Ilques Barbosa (Marinha) e Antônio Carlos Bermudez (Aeronáutica), pediram demissão dos respectivos comandos e colocaram os cargos à disposição do general Walter Braga Neto, atual Ministro da Defesa.

Os três foram enfáticos em afirmar que não participarão de nenhuma aventura golpista.

“..com Bolsonaro, só haverá instabilidade, agressões e incompetência..”, Dino sobre demissão de ministro

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), um dos mais contumazes críticos do governo Bolsonaro, nesta segunda-feira, dia 29, classificou a demissão do general Fernando Azevedo do Ministro da Defesa, como prova da desagregação do governo federal.

“Muito grave a desagregação do governo federal, que não vem de hoje. Está mais do que provado que, com Bolsonaro, só haverá instabilidade, agressões e incompetência. Democracia e Constituição são as nossas luzes para vencer essas trevas”, destacou Flávio Dino, nas redes sociais.

Flávio Dino também comentou durante entrevista ao site O Antagonista sobre a carta do ex-ministro Fernando Azevedo.

Na noite de hoje o presidente Jair Bolsonaro anunciou o substituto de Fernando Azevedo, além de outras mudanças.

Casa Civil: sai Walter Braga Netto e entra o general Luiz Eduardo Ramos; Justiça e Segurança Púbica: sai André Mendonça e entra Anderson Torres, que era secretário de Segurança do governo do DF; Ministério da Defesa: sai o general Fernando Azevedo e Silva entra o general Walter Braga Netto; Relações Exteriores: sai Ernesto Araújo e assume o embaixador Carlos Alberto Franco França, chefe do cerimonial do Palácio do Planalto; Secretaria de Governo da Presidência da República, sai Luiz Eduardo Ramos e assume a deputada federal Flávia Arruda (PL-DF).

Em nota o agora ex-ministro Fernando Azevedo agradeceu e disse que “preservou as Forças Armadas como instituições de Estado”.

“Agradeço ao Presidente da República, a quem dediquei total lealdade ao longo desses mais de dois anos, a oportunidade de ter servido ao País, como Ministro de Estado da Defesa.

Nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado.

O meu reconhecimento e gratidão aos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, e suas respectivas forças, que nunca mediram esforços para atender às necessidades e emergências da
população brasileira.

Saio na certeza da missão cumprida.
Fernando Azevedo e Silva”.

Bolsonaro se reúne com Lira, Pacheco, Fux e governadores aliados

É aguardado com expectativa o resultado da reunião desta manhã de quarta-feira, dia 24, na Palácio da Alvorada, entre o presidente Jair Bolsonaro e demais chefes de poderes, ministros e representantes de instituições da república.

O objetivo é estabelecer uma estratégia nacional de enfrentamento à pandemia.

Por se tratar de uma tentativa de unidade, chama atenção a participação e convite apenas de governadores aliados, o motivo que reforça a possibilidade de evitar questionamentos, cobranças e críticas mais contundentes ao governo.

Nem mesmo o governador do Piauí (PT), Wellington Dias, coordenador do Fórum Nacional dos Governadores, foi convidado.

“Criamos o ‘Pacto pela Vida’ que envolve líderes dos três poderes e tem a participação de amplos setores da sociedade. Nesta quarta-feira, teremos uma agenda para discutir a criação de uma coordenação nacional de crise para que possamos andar juntos na mesma direção do Plano Nacional de Vacinação, Plano Estratégico Nacional de Prevenção de Medidas Restritivas a fim de conter o coronavírus. Nosso foco é sair deste colapso da rede hospitalar. Também será discutida a destinação de auxílio financeiro aos mais pobres”, disse Wellington Dias.

Por causa da reunião, o novo ministro da Saúde foi nomeado ontem em solenidade reservada, também teve o pronunciamento de Jair Bolsonaro, em rede nacional, defendendo vacinação e se solidarizando com as familiares dos quase 300 mil mortos pela Covid-19, coisa que ainda não tinha feito de forma oficial.