Dólar passou operar em queda, após aceno de Lula a Alckmin

Da Revista Fórum

A entrevista de Lula concedida a setores da mídia independente em São Paulo, nesta sexta-feira, dia 19, movimentou os meios políticos. Até o dólar passou operar em queda, após declarações do petistas.

O posicionamento de Lula, sobre a possibilidade de Geraldo Alckmin, compor como vice na sua chapa presidencial, repercutiu de imediato.

Eu não terei nenhum problema se tiver que fazer uma chapa com Alckmin para ganhar as eleições e governar esse país. Nós vamos construir um programa de interessa da sociedade brasileira. Todo mundo sabe o que eu quero para esse país, não abro mão de que a prioridade e o povo brasileiro, o povo trabalhador, a classe média baixa, o que está desempregado, essa gente é que tem que ser a nossa prioridade e eu espero que o Alckmin esteja junto”, disse Lula.

A entrevista de Lula foi concluída no inicio da tarde, às 16h30, o dólar apresentava baixa de 1,69% e era negociada a R$ 5,4659, após operar no patamar de R$ 5,52 por volta de 11h15.

Twitter no Brasil libera ferramenta para denunciar fake news

Depois de apelos e reclamações está liberado desde o inicio desta semana no Brasil ferramenta no twitter para denunciar desinformação.

“..o fato de 2022 ser ano de eleições no Brasil e nas Filipinas.., contribuirá para avaliação de como esta ferramenta de denúncias seria usada em períodos de grandes eventos cívicos..”, destaca o twitter.

O recurso ainda em teste no Brasil também está liberado nas Filipinas e Espanha. Nos EUA, Austrália e Coreia do Sul já é utilizado dede 2021.

Moro, o teto de gastos e a histeria dos náufragos

Ricardo Cappelli

É curiosa a histeria dos liberais quando se coloca em debate a revisão do teto de gastos e da reforma trabalhista. A situação é tão pitoresca que o establishment resolveu fazer de um ex-juiz medíocre e ignorante o novo farol do liberalismo brasileiro. Roberto Campos deve estar dando voltas no túmulo.

Em contato com a realidade objetiva, os pseudoliberais brasileiros resolveram que transformariam esterco em ouro. Difícil funcionar.

A reforma trabalhista não criou os empregos prometidos. Se corrigiu pequenas disfunções de nosso sistema, serviu mesmo para aprofundar, maximizar e oficializar a mais-valia que avança em progressões geométricas.

O teto de gastos é outra ficção. Uma jabuticaba inventada pelo desespero de um presidente que tentava se agarrar à cadeira – a guinada fiscalista e neoliberal de Temer com a sua “Ponte para o Futuro” rompeu com as tradições históricas do MDB, patrono da Constituição Cidadã de 1988.

O que o tal teto trouxe de benefícios? Fechamos 2021 com a inflação em dois dígitos e o desemprego nas alturas. Permanentemente ameaçado por suas próprias loucuras, Bolsonaro liquidou o orçamento público e a capacidade de investimento do país.

São raros os liberais autênticos no Brasil. O que temos de sobra é uma elite atrasada, escravocrata e sem nenhum compromisso com o país.

O que hoje ameaça a democracia é o mesmo que está transformando a nossa elite em alquimista de quinta categoria: a desigualdade crescente. Segundo o economista francês Thomas Piketty, vivemos a maior concentração de renda e riqueza da história da humanidade.

Ninguém nasce com “vontade de democracia”. Ela é um contrato social assinado pelo povo com a garantia de que a sua vida vai melhorar. Sem apresentar ideias que dialoguem com este problema histórico objetivo – desemprego estrutural ascendente, formação de exércitos de “inimpregáveis”, concentração brutal da renda e do capital -, nenhuma ideologia fica de pé.

Quais as propostas dos liberais para resolver estas questões? Uberização das relações de trabalho? Teto de gastos para impedir a expansão das políticas sociais e a possibilidade de um novo projeto nacional de desenvolvimento?

André Lara Resende, economista, intelectual e considerado um dos pais do Plano Real tem dinamitado o neoliberalismo anacrônico e mofado. O insuspeito liberal, ciente do momento histórico vivido pelo atual processo de acumulação capitalista, adotou a defesa de um neokeynesianismo com foco no planejamento e na eficiência.

O “campo liberal” está em crise por ver que seus pressupostos clássicos estão naufragando diante de uma realidade cada vez mais excludente. Não adianta defender um bolsonarismo “educado e pró-vacinas” sem Bolsonaro.

Para ficar com as mesmas ideias com voz de marreco, talvez a parcela conservadora de nossa sociedade prefira o original.

O Globo destaca redução da pobreza no Maranhão

O Secretário de Comunicação do Maranhão, Ricardo Cappelli, destacou nesta segunda-feira, dia 10, nas redes sociais, nota do Jornal O Globo, com base em levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que mostra o Maranhão entre os estados que mais reduziram a pobreza no país.

Junto com o Maranhão estão o Pará, Sergipe e Piauí. A queda da pobreza nesses estados foi em média de 1,8 ponto porcentual, no mesmo período.

“.. tivemos o menor número de pobreza desde 2012. O Maranhão sempre esteve na casa dos 55%, 56%, e chegamos a 48%. Tivemos a quarta maior queda do país no que se refere à pobreza”, destacou Flávio Dino.

Moro confessa que ‘Lava Jato combateu o PT com eficácia’

Da Folha SP

O pré-candidato à presidência da república, Sérgio Moro (Podemos), ex-juiz da Lava Jato e ministro do governo Bolsonaro, em entrevista nesta quarta-feira, dia 29, à Radio Capital FM, de Mato Grosso, confessou que ‘a Lava Jato combateu o PT de forma efetiva e eficaz’.

“..Tem gente que combateu o PT na história de uma maneira muito mais efetiva, muito mais eficaz. A Lava Jato..”, disse Moro.

Moro ao perceber o que havia dito recuou e tentou mudar sua declaração dizendo que a Lava Jato apenas descobriu os ‘esquemas de corrupção’.

Em junho deste ano o STF julgou e tornou Moro suspeito e parcial ao julgar Lula, quando atuou como juiz da Lava Jato contra o petista. Com isso, foram anuladas ações dos casos tríplex, sítio de Atibaia e Instituto Lula.

Lula é o melhor e Bolsonaro pior presidente da história

O Datafolha perguntou aos brasileiros qual o melhor presidente que o Brasil já teve, o ex-presidente Lula (PT), foi o escolhido por 51% das pessoas consultadas. Para 48% dos entrevistados, o presidente Jair Bolsonaro é o

Datafolha também mostra vitória de Lula no 1º turno

Pesquisa Datafolha, sobre a corrida eleitoral para presidência da república em 2022, divulgada nesta quinta-feira, dia 16, também mostra longa vantagem de Lula (PT) em relação as demais pré-candidatos, e que venceria no 1º turno.

No cenário A: Lula tem 48%; Bolsonaro 22%; Moro 9%; Ciro 7%; João Dória 4%; branco/nulo/ninguém 8% e não sabe 2%.

No cenário B: Lula tem 47; Bolsonaro 21%; Moro 9%; Ciro 7%: Doria 4% oscilando para 3%; Simone Tebet e Rodrigo Pacheco 1%.

A pesquisa foi realizada entre 13 e 16 de dezembro e ouviu 3.666 pessoas com mais de 16 anos em 191 cidades brasileiras. A margem de erro é de 2% para mais ou para menos.

IPEC: Lula vence todos os outros pré-candidatos somados

Do G1

Pesquisa Ipec divulgada nesta terça-feira, dia 14, confirma liderança de Lula (PT) para presidência da república em 2022, com 48% das intenções de votos.

O presidente Bolsonaro (PL) continua na 2ª posição com 21% de votos.

Nos dois cenários revelados pela pesquisa Lula supera todos os demais pré-candidatos somados.

CENÁRIO 1

  • Lula (PT): 48%
  • Bolsonaro (PL) : 21%
  • Moro (Podemos): 6%
  • Ciro (PDT): 5%
  • André Janones (AVANTE): 2%
  • Doria (PSDB): 2%
  • Cabo Daciolo (PMN-Brasil 35): 1%
  • Simone Tebet (MDB): 1%
  • Alessandro Vieira (Cidadania): 0%
  • Felipe d’Ávila (NOVO): 0%
  • Leonardo Péricles (UP): 0%
  • Rodrigo Pacheco (PSD): 0%
  • Brancos / Nulos: 9%
  • Não sabem / Não responderam: 5%

CENÁRIO 2

  • Lula49%
  • Bolsonaro: 22%
  • Moro: 8%
  • Ciro5%
  • Doria3%
  • Brancos/nulos: 9%
  • Não sabe/não respondeu: 3%

O levantamento foi realizado entre 9 a 13 de dezembro e ouviu 2.002 pessoas em 144 municípios. Margem de erro é de 2 pontos para mais e para menos. O nível de confiança é de 95%.

Lula fura bolha e atinge perfis fora do debate político

Jan Niklas e Lucas Mathias

A entrevista do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no podcast Podpah, no YouTube, na quinta-feira, rompeu a barreira de seus tradicionais apoiadores e militantes políticos nas redes sociais. Após ser alvo de críticas da esquerda e da direita pela declaração sobre o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, Lula voltou a pautar o debate político entre os internautas de forma positiva.

Levantamento da Arquimedes, encomendado pelo GLOBO, identificou um dia após a entrevista 478 mil publicações com referência ao pré-candidato petista à Presidência. Dessas menções, 88% foram a favor. Além disso, foram mais de 292 mil acessos simultâneos à transmissão ao vivo da conversa, e o número de visualizações no YouTube passou dos 4,6 milhões na noite desta sexta-feira.

Para Pedro Bruzzi, um dos sócios da Arquimedes, a principal vitória de Lula, que contribuiu para que os números chegassem a esse patamar, foi o vocabulário usado pelo petista que “se adaptou muito bem ao público do podcast”.

— Falou, inclusive, de futebol, que é um tema que eles já gostam. Conseguir falar dessa maneira é um ponto positivo para ele. Mas para além disso, falou de maneira muito simples sobre política. Não usou politiquês, falou muito claramente — destacou Bruzzi.

Segundo a análise da Arquimedes, o alcance do debate para além dos perfis alinhados a Lula aconteceu também por se tratar de um podcast cujo público não consome política cotidianamente. Bruzzi explica que o ex-presidente “amplificou bastante os públicos que dialogaram entre si”.

A consequência veio em menções majoritariamente positivas nas redes sociais. E dentre os 12% das menções negativas, as críticas foram pontuais e concentradas em opositores já recorrentes, como apoiadores de Moro, Ciro e Bolsonaro.

— Foi bem positivo para Lula porque os críticos não fugiram dos tradicionais: Bolsonaristas, moristas e ciristas. Além disso, foram quase meio milhão de menções, apesar de não haver nenhuma declaração bombástica. O número foi conquistado só com a ida dele ao podcast — explicou Bruzzi.

Reação após menções negativas

A recuperação de uma imagem positiva nas redes foi outra das conquistas do petista com a entrevista. Em novembro, Lula já havia registrado um grande volume de menções, com dois momentos distintos. O primeiro, amplamente positivo, veio com sua viagem para a Europa, quando esteve com o presidente da França, Emmanuel Macron.

Em seguida, houve grande repercussão negativa com sua declaração sobre Daniel Ortega e o governo da Nicarágua. Agora, segundo a Arquimedes, o ex-presidente “começa dezembro pautando o debate político mais uma vez”.

— No podcast ele deu a mesma declaração sobre a Nicarágua, mas de uma maneira mais favorável a ele. Disse que a imprensa só se importa com os presos políticos na Nicarágua, mas que ele foi preso injustamente aqui e não houve a mesma manifestação. As críticas, evidentemente, não vieram só da imprensa, mas ele se saiu bem — comentou Pedro Bruzzi. (O Globo)

Covid 19: Brasil fechará fronteiras a 6 países da África

Do Uol

O ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, informou que o Brasil fechará, a partir de segunda-feira, as fronteiras aéreas para seis países da África por causa de uma nova variante do coronavírus, classificada hoje como “preocupante” pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

“Vamos resguardar os brasileiros nessa nova fase da pandemia”, disse Nogueira.

A restrição afetará os passageiros oriundos de África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue. O ministro explicou que a decisão foi tomada em conjunto e será assinada pela Casa Civil, Ministério da Infraestrutura, Ministério da Saúde e pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

A OMS classificou a variante como “preocupante”. Segundo o órgão, a ômicron tem alto poder de propagação por conter um espigão diferente do que existia no coronavírus original, com base no qual as vacinas contra a covid-19 foram desenvolvidas. Isso aumenta a preocupação de que a B.1.1.529 possa “escapar” da proteção dos imunizantes.