Eduardo Braide recua e recebe vereadores de São Luís

O prefeito de São Luís, Eduardo Braide, recuou da ‘queda de braços’ com a Câmara Municipal da capital. Os vereadores foram recebidos na noite de segunda-feira, dia 2, no Palácio de La Ravardière.

“Recebi hoje, aqui na Prefeitura, 23 vereadores da nossa cidade. Aproveitei o encontro para fazer um balanço e apresentar as novas obras e ações que executaremos em São Luís. E firmamos o compromisso de trabalharmos unidos”, disse Eduardo Braide.

O fato é que a relação da Prefeitura com Câmara estava muito ruim desde o inicio da gestão de Eduardo Braide. As reclamações dos vereadores eram abertas e diárias contra o prefeito que, segundo eles, não eram recebidos a tinham suas demandas atendidas.

A crise entre Eduardo Braide e a Câmara Municipal teve como principal resultado a vitória do vereador Paulo Vitor (PCdoB), no parlamento Municipal. Após o vereador Gutemberg Araújo (PSC), desistir da disputa em nome da unidade da Casa, ele era o candidato apoiado pelo prefeito.

25 funcionários do INEP pedem demissão; ENEM será realizado dias 21 e 28

Do G1

Com as provas Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) marcadas para acontecerem nos dias 21 e 28 novembro, 25 funcionários do INEP(Instituto Nacional de Estudos e pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), órgão responsável pelo concurso, pediram demissão nesta segunda-feira, dia 8.

Abaixo a lista:

Natalia Fernandes Camargo, coordenadora-geral substituta;

Nathalia Bueno Póvoa, coordenadora-geral-substituta;

Vanderlei dos Reis Silva, coordenador;

 Gizane Pereira da Silva, coordenadora-substituta;

Hélida Maria Alves Campos Feitosa, servidora pública federal;

Samuel Silva Souza, servidor público federal;

Camilla Leite Carnevale Freire, servidora pública federal;

Douglas Estevão Morais de Souza, coordenador-substituto;

Patricia da Silva Onório Pereira, coordenadora;

Denys Cristiano de Oliveira Machado, coordenador;

Alani Coelho de Souza Miguel, coordenadora-substituta;

Leonardo Ferreira da Silva, coordenador-substituto;

Francisco Edilson de Carvalho Silva, coordenador-geral;

Silvana Maria Lacerda Gonçalves, servidora pública federal;

Andréia Santos Gonçalves, coordenadora-geral;

Victor Rezende Teles, substituto;

Helciclever Barros da Silva Sales, coordenador;

Helio Pereira Feitosa, coordenador;

Saulo Teixeira dos Santos, servidor público federal;

Edivan Moreira Aredes, coordenador-substituto;

Rita Laís Carvalho Sena Santos, coordenadora;

Danusa Fernandes Rufino Gomes, coordenadora-substituta;

Claudia Maria Ribeiro Gonçalves Barbosa Marques, servidora pública federal;

Rosária Duarte Melo, servidor público federal.

Empresas de ônibus podem parar quarta-feira, dia 10, em São Luís

Os rodoviários em São Luís, informaram nesta quinta-feira, dia 4, que poderão parar seis empresas na próxima semana, se elas não regularizarem os salários dos funcionários, como foi acordado com o prefeito Eduardo Braide e Empresários do setor de transporte, na última segunda-feira, dia 1º, como uma das condições para encerramento da greve da categoria que durou 12 dias.

Nota do Sindicato dos Roviários do Maranhão

O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão informa, que devido o descumprimento das cláusulas econômicas da Convenção Coletiva de Trabalho e também, do acordo firmado entre a entidade e o sindicato patronal, SET, na prefeitura de São Luís, após 12 dias greve geral na capital, seis empresas de ônibus, poderão ter as atividades paralisadas a partir das primeiras horas da próxima quarta-feira (10), são elas:

Autoviária Matos Ltda;
Viação Abreu/Seta Transportes;
Plarieta / São Benedito;
Ratrans;
Pelé / Patrol;
Grupo 1001.

Ofícios já foram encaminhados para as determinadas empresas, para o SET e também, para os órgãos competentes, como Agência Estadual de Mobilidade Urbana (MOB) e Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes.

O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão ressalta, que segue atento a toda esta situação e caso, até quarta-feira (10), as empresas cumprirem com o compromisso feito, perante o Prefeito de São Luís, Eduardo Braide, pagando os salários dos trabalhadores, a paralisação será suspensa, caso isso não aconteça, não restará outra alternativa que não seja, suspender as atividades nas seis empresas citadas.

Ascom Sind. Rodoviários – MA

A Prefeitura de São Luís, através da SMTT, também informou hoje que efetuou a primeira parcela do auxilio emergencial ao Sistema de Transporte e entregou o projeto do ‘Cartão Cidadão’.

Governo Bolsonaro admite risco de falta de energia e cobra sacrifícios

Do Uol

Coube ao ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, em pronunciamento na noite desta terça-feira, dia 31, em rede nacional, admitir o que o governo vinha tentando negar, que a crise energética é real e que será necessário sacrifício do consumidor para evitar agravamento no setor elétrico.

“..me dirijo novamente a todos para informar que a nossa condição hidroenergética se agravou. O período de chuvas na região Sul foi pior que o esperado (..) Para aumentarmos nossa segurança energética e afastarmos o risco de falta de energia no horário de maior consumo, é fundamental que a Administração Pública, em todas as suas esferas, e cada cidadão-consumidor, nas residências e nos setores do comércio, de serviços e da indústria, participemos de um esforço inadiável de redução do consumo..”, afirmou Bento Albuquer.

Para Dino, tudo indica que Bolsonaro tentará invadir o Congresso ou o STF

Os governadores se reuniram nesta segunda-feira, dia 23, para discutirem a crise entre os poderes.

Hoje em entrevista ao Uol News , o governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), disse que os últimos posicionamentos do presidente indicam que Bolsonaro e seus aliados tentarão invadir o Congresso Nacional ou mesmo do STF, semelhante ao que ocorreu no Capitólio nos EUA, após as eleições.

“Acho que a atitude nesse momento deve ser de serenidade, porém, de firmeza porque mesmo que ele [Bolsonaro] não tenha êxito nessas tentativas de invadir o Congresso, invadir o Supremo, coisas desse tipo, tudo indica que algo desse tipo será tentado. E ao tentar, já há vítimas. Nós vimos isso no Capitólio, nos EUA. E temos que evitar essa confrontação entre brasileiros. A paz deve prevalecer, o respeito às regras da democracia deve prevalecer”, afirmou o governador.

Para ele, se as eleições presidenciais em 2022 ocorrerem com esse “clima gerado pelo Bolsonaro” é possível que o país se depare com confrontações e uma possível guerra civil.

“Porque se nós formos para a eleição nesse clima gerado pelo Bolsonaro, nós podemos não ter problemas agora no 7 de setembro, mas podemos ter problema no outro 7 de setembro quando se avizinhará a derrota eleitoral do Bolsonaro. E, aí sim, no ambiente eleitoral eles podem perpetrar algum tipo de confrontação, assolar ódio, gerar uma espécie de guerra civil. Então é uma situação muito grave e o general Mourão, repito, apesar de ser uma pessoa à direita, é uma figura que tem se comportado de modo sério, respeitável, diferente do presidente da República”, ponderou Dino.

“A democracia não pode ser pisoteada por aventureiro”, Dino sobre ataques ao STF

O forte pronunciamento do ministro Luís Fux, presidente do STF, nesta quinta-feira, dia 5, em defesa da Constituição e dos ministros Alexandre de Moraes e Roberto Barroso, alvos de ataques ameaçadores do presidente Bolsonaro, deu o tom da fase mais critica da crise institucional brasileira.

Luís Fux lembrou em sua fala da reunião realizada em julho, alertou Bolsonaro para os limites do exercício do direito da liberdade de expressão e para o necessário e inegociável respeito entre os Poderes.

“O pressuposto do diálogo entre os Poderes é o respeito mútuo entre as instituições e seus integrantes”, disse Fux. O ministro afirmou que o ataque a integrantes do Supremo atinge toda a Corte, que vai seguir, de forma coesa, ao lado da população brasileira em defesa do Estado Democrático de Direito e das instituições republicanas.

Para o governador do Maranhão (PSB), definiu a atual conjuntura da política e instituições da república brasileira, como “retrato de um tempo tenso e triste (..) importante manifestação do Poder Judiciário em defesa da Constituição e da legalidade”.

“Vice é igual a cunhado, tem que aturar”, Bolsonaro sobre Mourão

O presidente Jair Bolsonaro durante entrevista à Rádio Arapuan FM, nesta segunda-feira, dia 26, voltou mostrar toda sua insatisfação com seu vice-presidente Hamilton Mourão.

“..Ele tem uma independência muito grande. Por vezes, aí, atrapalha um pouco a gente. Mas o vice é igual cunhado: você casa e tem que aturar o cunhado do teu lado. Você não pode mandar o cunhado embora..”, disse Bolsonaro.

Eliziane chama de ‘excrecência’ Fundo Eleitoral de R$ 5,7 bilhões

Parlamentares criticaram a aprovação do fundo eleitoral para 2022, pelo Congresso Nacional, nesta quinta-feira, dia 15. A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) chamou de ‘excrecência’ o valor de R$ 5,7 bilhões, nesse momento de crise agravada pela pandemia no país.

“É uma excrescência,num momento de pandemia, com o desemprego batendo recordes, aprovar aumento de Fundo Eleitoral para R$5,6bi. Não é hora de aumentar gasto p/pagar propaganda. A hora é de vacina no braço e tirar o país da crise”, classificou a senadora.

Deputados e Senadores aprovaram em caráter de urgência a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentária) para 2022, com déficit previsto de R$ 170,47 bilhões para (Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União), e fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões.

Entre os deputados foram 278 votos a favor do projeto, 145 contra e 1 abstenção. Quanto aos senadores, 40 votaram a favor e 33 contra.

“o verde, azul e branco é lealdade à Pátria, não submissão a partidos ou facções”, diz Flávio Dino

Da Forum

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), mandou um alerta a quem tenta fazer “uso político” das Forças Armadas.

“É fundamental que os militares lembrem que o verde, o azul e o branco do fardamento do Exército, Aeronáutica e Marinha identificam sua lealdade à Pátria, não submissão a partidos ou facções”, afirmou Dino em sua coluna na edição da revista Carta Capital deste final de semana.

No artigo intitulado “Política Sem Farda”, o governador defendeu a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) que restringe a participação dos militares da ativa na vida pública.

Dino defende no artigo que o governo Bolsonaro seria fruto do apoio institucional de militares e membros do Sistema de Justiça, extrapolando suas funções constitucionais.

“O arranjo político que atualmente governa o nosso país é fruto dessas crenças retrógradas”, afirma, referindo-se ao Positivismo do século 19, que defendia que “homens iluminados” governariam o país de forma técnica e baniriam a corrupção da política. “O resultado é o oposto do que alegavam. Vemos a multiplicação de denúncias de corrupção no exato momento em que os recursos públicos deveriam estar direcionados para salvar vidas”, afirmou, citando as denúncias investigadas pela CPI do Senado, envolvendo inclusive militares.

Dino lembra que, desde os anos 1930, há estabilidade do serviço público no Brasil como forma de tentar garantir impessoalidade dos atos do Executivo. E defende que esse cuidado deve ser maior entre militares e juízes – seus ex-colegas de profissão, desde que Dino abandonou a magistratura para iniciar a carreira política. Entre os militares, pois exercem o uso da força, “empregado segundo procedimentos legais e em favor do bem comum dos cidadãos”. E os juízes pois são “responsáveis por determinar o cumprimento da lei”.

O mito da participação dos militares na vida pública brasileira como algo saudável para o país seria baseado no Positivismo do século 19, “que lançou militares à política desde a República Velha”.

“As tentativas de supostamente anular os malefícios da política produziram governos autoritários, incompetentes para resolver os problemas nacionais e manchados pela ilegalidade, do começo ao fim”, afirma.

Defesa e Forças Armadas reagem em tom de ameaça a Omar Aziz e a CPI

Da Forum

Ministério da Defesa e comandantes do (Exército, Marinha e Aeronáutica) reagiram em nota às declarações do presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), na noite desta quarta-feira (7), que associam alguns militares a denúncias de corrupção no Ministério da Saúde.

“Olha, eu vou dizer uma coisa: as Forças Armadas, os bons das Forças Armadas devem estar muito envergonhados com algumas pessoas que hoje estão na mídia, porque fazia muito tempo, fazia muitos anos que o Brasil não via membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo. Fazia muitos anos”, disparou Aziz na CPI.

A fala de Omar Aziz incomodou e a reação foi imediata do ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, e na cúpula militar, em tom de ameaça ao presidente da CPI e a comissão

.