Governador ratifica apoio e confiança em Portela durante entrega de 90 viaturas às Policias Militar e Civil

 

IMG-20190711-WA0028
Entrega de viaturas às policias Civil e Militar/Foto: Karlos Geromy

Em solenidade muito concorrida nesta quinta-feira (11), na Praça Maria Aragão, centro de São Luís, o governador Flávio Dino entregou mais 90 viaturas novas para ao Sistema de Segurança que serão utilizadas pelas policias civil e militar. Os investimentos nos equipamentos entregues hoje custaram R$ 145 milhões e contemplam 65 municípios.

Para um público formado em sua maioria de servidores do Sistema de Segurança Pública, durante sua fala Flávio Dino se referiu, mesmo que indiretamente, sobre a acusação contra o Secretário de Segurança, Jefferson Portela, de ”espionar’ membros do judiciário e políticos de oposição ao governo, e que vem sendo utilizado pela oposição para atacar o governo.

Segundo Flávio Dino, muito do sucesso e avanços alcançados pelo governo desde 2015 no setor de Segurança Pública do Maranhão deve-se a seriedade e dedicação de Jefferson Portela à frente do sistema de segurança. Ele defendeu ainda a unidade no sistema e ratificou a confiança e apoio em Portela, e ressaltou que o combate ao crime organizado no estado não terá trégua, seja ele praticado por quem quer que seja e aonde.

Participaram da solenidade Secretários de Estado, Delegados de Polícia, Oficias da PM e Corpo de Bombeiros, Policias Militares e Civis, deputados estaduais, prefeitos e lideranças comunitárias.

IMG-20190711-WA0016
Entrega de viaturas às policias Civil e Militar/Foto: Karlos Geromy
IMG-20190711-WA0020
Entrega de viaturas às policias Civil e Militar/Foto: Karlos Geromy

Rubens Pereira Jr explica em vídeo pontos do Projeto Anticrime

 

rubensjr-minO deputado federal Rubens Pereira Jr (PCdoB-MA) publicou hoje (18), no Youtube, a análise dos principais pontos do Projeto de Lei Anticrime, apresentado no início do mês pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

A expectativa do governo é enviar proposta ao Congresso Nacional ainda nesta semana, mesmo em meio à crise envolvendo o caso Bebianno, este é um dos projetos que representam algumas das principais promessas de campanha do governo Bolsonaro.

Bolsonaro disse que se o filho for culpado terá que pagar. Será?…

 

davos
Bolsonaro concede entrevista à agência de notícias Bloomberg, em Davos Foto: Reprodução

RIO — Em entrevista para a agência de notícias Bloomberg, em Davos (Suíça), nesta quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro disse que se o senador eleito Flávio Bolsonaro , seu filho mais velho, errou e se isso for provado, ele terá que pagar pelos atos dele.

— Se por acaso ele errou, e isso for provado, eu lamento como pai, mas ele terá que pagar o preço por essas ações que não podemos aceitar.

Segundo a agência de notícias, a investigação sobre Flavio Bolsonaro corre o risco de “minar a agenda anticorrupção do presidente”.

Flávio está na berlinda desde que foram divulgadas as movimentações financeiras atípicas de R$ 1,2 milhões do ex-assessor Fabrício Queiroz, registradas pelo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf). Conforme revelou o colunista Lauro Jardim, no domingo, a movimentação do ex-assessor chega a R$ 7 milhões em três anos.

A situação do senador eleito se agravou após a revelação pelo Jornal Nacional de que o Coaf encontrou 48 depósitos em dinheiro vivo no valor de R$ 2 mil entre junho e julho de 2017 nas contas bancárias de Flávio. Segundo Flávio, o dinheiro é parte do pagamento da venda de uma cobertura em Laranjeiras, no Rio.

A transação em dinheiro vivo foi confirmada pelo ex-atleta Fábio Guerra, que comprou o imóvel. No entanto, as datas dos depósitos fracionados divergem dos pagamentos registrados na escritura de venda do imóvel.

Ontem, após operação do Ministério Público contra milícias no Rio, também veio à tona a informação de que Flávio Bolsonaro empregava  a mulher e a filha do ex-capitão da PM Adriano Magalhães da Nóbrega, chefe da milícia do Rio das Pedras e tido como o homem-forte do Escritório do Crime,  organização suspeita do assassinato de Marielle Franco.

(Jornal O Globo)