Homenagem aos 131 anos da Lei Áurea termina em protestos de monarquistas e movimentos negros

 

lei aurea
Plenário da Câmara Federal/Foto: Reprodução

O Brasil que já se havia se tornado um imenso ‘barril de pólvora’, ao que parece o ‘pavio’ está aceso. Durante homenagem aos 131 anos da Lei Áurea, realizada nesta terça-feira (14), no Plenário da Câmara Federal; o racismo e as desigualdades no país se mostraram ainda profundas e graves.

Presidida pelo descendente da princesa Izabel, o deputado Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP), e presença do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e outros simpatizantes da monarquia, a sessão acabou em protestos e tumulto entre monarquistas e movimentos negros.

Tudo começou quando durante a solenidade a escravidão era relativizada e enaltecido o ato da princesa Izabel, ao assinar a Lei Áurea, que segundo a ‘história’, ‘libertou os escravos’. O plenário foi invadido por integrantes de movimentos negros que entoavam gritos de ‘Parem de nos Matar’ e ‘Marielle Vive”, já os monarquistas respondiam com ‘Izabel’ ,’Izabel’.

Dep. Othelino Neto recebe Medalha Especial do Mérito Cândido Mendes

O Presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, dep. Othelino Neto (PCdoB-MA), foi homenageado pelo Tribunal de Justiça do Estado, com a Medalha Especial do Mérito Candido Mendes, maior do Poder Judiciário do Maranhão. A honraria foi concedida em razão das homenagens pelos 205 anos de instalação da Corte.

TJ

“Sinto-me muito feliz em receber a comenda máxima do Poder Judiciário, e nas palavras do desembargador e Presidente do TJ, José Joaquim, é o reconhecimento pela forma responsável como vem sendo conduzido o Poder Legislativo do Estado, por hora sobre nosso comando”, disse o deputado Othelino Neto, após receber a comenda das mãos do desembargador Marcelo Carvalho.

Na mesma solenidade, o deputado Max Barros também foi agraciada com a Medalha Antônio Rodrigues Vellozo.