Polícia Federal no encalço do ministro Ricardo Salles

O STF ordenou e a Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira, dia 19, ação de busca e apreensão em contra Ricardo Salles, Ministro do Meio Ambiente, e na sede do ministério.

Também foi determinado o afastamento do presidente do Ibama, Eduardo Bim, e suspensão de despacho assinado por ele em fevereiro de 2020, que trata da autorização de exportação de madeiras.

O STF determinou ainda a quebra de sigilos bancário e fiscal de Ricardo Salles e de servidores do Ibama.

O objeto é investigar crimes contra a administração pública, como corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e facilitação de contrabando praticados por agentes públicos e empresários do ramo madeireiro.

160 policiais federais cumprem 35 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, em São Paulo e no Pará.

As investigações foram iniciadas em janeiro, a partir de informações obtidas junto a autoridades estrangeiras noticiando possível desvio de conduta de servidores públicos brasileiros no processo de exportação de madeira. (Conjur)

Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles continua internado em Brasília

 

Salles
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente do governo Bolsonaro/Foto: Reprodução

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, está internado no Hospital das Forças Armadas, em Brasília. Ele deu entrada no inicio da madrugada desta quinta-feira (28).

Informações extraoficiais é que o ministro apresentava sintomas de infarto. Ele está em observação para que os médicos acompanhem o desenvolvimento do quadro.

Ministro do Meio Ambiente é um dos ministros mais contestados do governo Jair Bolsonaro. Sua gestão é alvo de investigação do Tribunal Contas da União, ele também foi denunciado ao Ministério Público e Comitê de Ética da Presidência da República.

O desgaste de Salles aumentou com crise na região amazônica, com repercussão internacional.