Covid: MEC proíbe exigência de vacinação em instituições federais

O governo Bolsonaro, através do Ministério da Educação, está proibindo instituições de educação federais exigirem comprovação de vacina contra Covid-19, nas atividades presencias.

A medida está publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, dia 30, e assinada pelo ‘terrivelmente bolsonarista’ ministro, Milton Ribeiro (Educação).

ENEM 2020 será realizado nos dias 17 e 24 de janeiro de 2021

 

Enem 2020
Foto: Reprodução

ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) ocorrerá nos dias 17 e 24 de janeiro de 2021.

O Enem digital será nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

O Ministério da Educação e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira anunciaram nesta quarta-feira (8).

A reaplicação do Enem será no dia 24 de fevereiro e 25 de fevereiro. E os resultados serão divulgados no dia 29 de março de 2021.

Inicialmente as provas estavam marcadas para novembro, sendo adiada por causa da pandemia.

Nesta edição do ENEM 2020 estão inscrittos mais de 5,8 milhões de estudantes.

Renato Federa disse que recusou o convite de Bolsonaro para o MEC

 

5eff7d932500003d04c2931d.png
Renato Feder, secretário de Educação e Esportes do Paraná. Ele recusou o convite de Bolsonaro para assumir o MEC/Foto: Reprodução

“Recebi na noite da última quinta-feira uma ligação do presidente Jair Bolsonaro me convidando para ser ministro da Educação. Fiquei muito honrado com o convite, que coroa o bom trabalho feito por 90 mil profissionais da Educação do Paraná. Agradeço ao presidente Jair Bolsonaro, por quem tenho grande apreço, mas declino do convite recebido. Sigo com o projeto no Paraná, desejo sorte ao presidente e uma boa gestão no Ministério da Educação”, escreve Felder

Escolhido de Bolsonaro defendeu extinção do MEC e privatização da Educação

 

renato dfeder
Renado Feder escolhido para o MEC, e o presidente Bolsonaro/Foto: Reprodução

Renato Feder, 41 anos, escolhido para ser o quarto ministro da Educação do governo Bolsonaro, em menos de dois anos, defendeu a extinção do MEC, pasta que vai comandar, e a privatização da Educação, começando pelas Universidades, como destaca reportagem desta sexta-feira (3) da Folha de SP.

A proposta, que incluía a concessão de vouchers para as famílias matricularem os filhos em escolas privadas, está no livro Carregando o Elefante – como transformar o Brasil no país mais rico do mundo, de 2007.

Bolsonaro recebe indicações para lugar de Carlos Decotelli ‘o breve’

 

o breveCom o desembarque de Decotelli do governo, Bolsonaro recebeu a indicação de diversos nomes para o comandar o Ministério da Educação.

Militares indicaram Anderson Ribeiro Correia, reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

Ele é também ex-presidente da Capes e foi membro do Conselho Deliberativo do CNPQ. (Informações O Antagonista)

Políticos maranhenses comentam saída de Weintraub do MEC em tom de alívio e criticas à sua gestão

 

IMG_20200618_214410-1

A confirmação da saída de Weintraub do MInistério da Educação nesta quinta-feira (18), foi destacada numa rede social por políticos do Maranhão, num misto de alívio e criticas a gestão dele no MEC.

O mais controverso, improdutivo e polêmico ocupante da pasta no país ficou no cargo durante 14 mese.

Enfim Weintraub não é mais Ministro da Educação. E agora, o que virá?

 

Abraham Weintraub gravou e divulgou um vídeo ao lado do presidente Bolsonaro na tarde desta quinta-feira (18), para se despedir da titularidade do MEC. Simpático ao grupo ideológico e familiar do governo ele deve ocupar cargo no Banco Mundial.

No vídeo o semblante do presidente é de quem não está a vontade. A impressão é que apenas o corpo do presidente está presente, a cabeça estaria em outro lugar. Provavelmente na prisão do Queiroz.

Na sua fala Weintraub parece ter deixado a pasta na condição de celebridade.

“.. eu queria agradecer todo apoio e carinho que eu minha família estamos recebendo de vocês. Eu achava que tinham poucos Weintraubs no Brasil, mas, cada dia sinto que vocês fazem mais parte da minha família. Acho que hoje existem muitos wintraubs, obrigado..”, diz um trecho do dircurso de Weintraub.

MEC ameaça professores, estudantes e pais de alunos por causa das manifestações

abraham-weintraub
Ministro da Educação, Abraham Weintraub/Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro e o ministério, Abraham Weintraub, ao que parece optaram pelo enfrentamento em relação a crise no setor de Educação. Nesta quinta-feira (30), quando as manifestações cresciam, o MEC decidiu divulgar uma nota onde diz  que professores, alunos e até país ou responsáveis “não estavam autorizados a divulgar e apoiar protestos no horário escolar”.

Políticos usaram as redes sociais para se posicionarem sobre a medida.

“Difícil encontrar base constitucional e legal para essa inusitada afirmação. Lá vem novo recuo…”, lamentou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

“MEC estimula “denuncismo” nas universidades, para censurar protestos. As escolas não se calaram nem mesmo sob a Ditadura: não vai ser agora que se acovardarão, diante de um governo atrapalhado que sequer tem projeto pro país e se porta como uma fábrica de polêmicas!”, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Abaixo a Nota do MEC

O Ministério da Educação reafirma que toda manifestação democrática e pacífica é direito de qualquer cidadão brasileiro. Entretanto, a Pasta condena práticas de coação para que estudantes e professores participem de eventos dessa natureza. Nos últimos dias, o MEC tem recebido denúncias via redes sociais e pelo sistema e-Ouv que confirmam essas denúncias. Até o momento, a Ouvidoria do Ministério já contabiliza 41 reclamações no órgão, além de diversas interações realizadas via Facebook do MEC e pelo Twitter do ministro Abraham Weintraub.

O MEC esclarece que nenhuma instituição de ensino pública tem prerrogativa legal para incentivar movimentos político-partidários e promover a participação de alunos em manifestações. Com isso, professores, servidores, funcionários, alunos, pais e responsáveis não são autorizados a divulgar e estimular protestos durante o horário escolar.

Os servidores públicos têm a obrigatoriedade de cumprir a carga horária de trabalho, conforme os regimes jurídicos federais e estaduais, e podem ter o ponto cortado em caso de falta injustificada. Ou seja, os servidores não podem deixar de desempenhar suas atividades nas instituições de ensino para participarem desses movimentos.

Cabe destacar também que a saída de estudantes, menores de idade, no período letivo precisa de permissão prévia de pais e/ou responsáveis e que estes devem estar de acordo com a atividade a ser realizada fora do ambiente escolar.”

Causa de demissão no Inep teria começado com pedido de acesso a dados sigilosos de estudantes

 

elmer-vicenzi
Elmer Coelho Vicenzi /Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Da Revista Veja

A confusão que culminou na demissão do agora ex-presidente do Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais (Inep), Elmer Vicenzi, começou quando o ministro da Educação Abraham Weintraub pediu acesso a dados sigilosos de estudantes, solicitação que foi negada pelo procurador-chefe do órgão.

Segundo um ex-funcionário da pasta, durante a ausência do procurador, Vicenzi insistiu com o vice, que também negou o pedido e acabou demitido. A situação causou um tremendo mal-estar entre os procuradores do Inep, que fizeram uma greve geral.

Para completar a “fritura” de Elmer Vicenzi no órgão, circulou pelo Ministério da Educação (MEC), na quarta-feira 15, uma carta assinada pelo ex-presidente do Inep, Marcus Vinícius Rodrigues, solicitando que o sucessor retificasse suas declarações à Comissão de Educação da Câmara dos Deputados no dia 14 de março.

Na ocasião, o ex-policial afirmou que a comissão criada para avaliar questões no Enem seria “só mais uma comissão entre muitas que participam da elaboração da prova”. Rodrigues afirma na carta que as falas deixaram dúvidas sobre “o real trabalho realizado e os resultados obtidos pela comissão”.

Critério para cortar verbas de Universidades é Inconstitucional, diz Flávio Dino

 

flavio odio
Governador Flávio Dino/Foto: Reproodução

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, confirmou nesta terça-feira (30), o corte de recursos para universidades que, segundo ele, ao invés de melhorar o desempenho fazem ‘balburdia’. Em outras palavras, ‘que não rezam na cartilha do governo’.

“Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo “balbúrdia”, terão verbas reduzidas”, disse o ministro da Educação Abraham Weintraub.

O governador do Maranhão, Flávio Dino, que também é professor de Direito Constitucional lamentou nas redes sociais a medida do governo Bolsonaro. E alertou para o flagrante desrespeito à Constituição Federal.

“Usar critérios ideológicos, e não técnicos, para cortar recursos de Universidades fere a regra constitucional da autonomia universitária (art. 207 da Constituição). Ou haverá novo recuo, ou nova derrota no Judiciário. Lamentável tanta confusão”, alertou Flávio Dino.