Siqueira diz que PSB errou no impeachment de Dilma Rousseff

Do Uol 

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, disse nesta quinta-feira, dia 17, que o partido errou ao apoiar o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2016. Mas, ressaltou que o PT também errou na articulação.

“Temos uma autocrítica: foi impensado e fomos empurrados (..) O PSB não foi buscado pelo presidente do PT na época, o Rui Falcão. Ele não me deu um telefonema”, disse Siqueira.

Durante o impeachment o PSB tinha 32 parlamentares na Câmara Federal, 29 votaram a favor da saída de Dilma Rousseff. Não foram registradas abstenções ou ausências.

“..Dilma sofreu um golpe..”, Lula em defesa de Dilma

Da Revista Forum

Um dia após Ciro Gomes (PDT), atacar a ex-presidente Dilma Roussef, durante entrevista à Rádio Grande FM, de Dourados (MS), nesta quinta-feira (14), Lula defendeu o governo da sua aliada.

“.. A gente não pode esquecer que a Dilma sofreu um golpe. Construíram uma mentira chamada pedaladas. E com essa mentira se construiu uma maioria, que hoje governa o país, para afastar a Dilma dizendo que o PT quebrou o Brasil e o Brasil hoje está infinitamente pior (..) Estou convencido que a Dilma fez um bom governo. E a Dilma foi a pessoa mais queimada e assaltada do poder. Aquela famosa ‘ponte para o futuro’ foi um mentira e estamos esperando a ponte para o futuro, porque não tem nenhuma ponte. Tem um abismo”, ressaltou, após lembrar o índice de desemprego histórico (..) O governo da Dilma fez coisas extraordinárias. Houve um desajuste em 2014 quando se adotou uma política de desoneração, na minha opinião exagerada, e depois ela tentou corrigir e já tinha uma figura chamada Eduardo Cunha na Câmara, que diferentemente do papel que o Temer fez para o Fernando Henrique Cardoso em 99, que ajudou a fazer as mudanças no Congresso para poder ajudar a governabilidade, o Eduardo Cunha passou a estabelecer pautas-bombas para que a Dilma tivesse dificuldade de governar. É isso que aconteceu..”, disse Lula.

Livro “Tchau Querida, O Diário do Impeachment” mostra Temer como grande conspirador

Brasil 247 – O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, preso pela Lava Jato, concluiu o livro que conta os bastidores que levaram ao impeachment da presidente eleita Dilma Rousseff, em 2016.

Segundo a Coluna Radar, da revista Veja, “Cunha conta em detalhes como o vice de Dilma atuou ativamente para tomar o lugar da petista e “é pintado como o grande conspirador” responsável pelo golpe parlamentar. 

O livro-bomba “Tchau Querida, O Diário do Impeachment” terá 740 páginas e irá “revelar detalhes aterradores dos conchavos que marcaram a queda da petista”. A obra também traz detalhes sobre a participação de Rodrigo Janot, Sergio Moro, do deputado e atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) no golpe. 

No livro, Cunha afirma que Maia era  “um personagem desesperado pelos holofotes do impeachment de Dilma” e pleiteava assumir a relatoria da Comissão Especial do Impeachment. Cunha, porém acabou vetando o nome do democrata por achar que ele não teria forças para levar o processo adiante.

O livro está em fase final da revisão de texto, apesar da editora que lançará a obra ainda não ter sido definida. As negociações para a publicação estariam mais avançadas com a Matrix Editora.

Flávio Dino elogia reação de Rodrigo Maia e Baleia Rossi após Bolsonaro atacar Dilma

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), elogiou os deputados Rodrigo Maia (DEM) e Baleia Rossi (MDB), nesta terça-feira, dia 29, após se solidarizarem com a ex-presidente Dilma Rousseff, alvo de deboche e ironia do presidente Jair Bolsonaro.

“Importantes posições dos deputados Rodrigo Maia e Baleia Rossi sobre deboche de Bolsonaro com a presidenta Dilma. Há fronteiras de dignidade e decência que estão acima de quaisquer disputas ideológicas ou políticas”, destacou Dino.

Ontem segunda-feira, dia 28, o presidente Bolsonaro, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, questionou a veracidade das torturas sofridas pela ex-presidente Dilma, durante o período da ditadura militar.

“Dizem que a Dilma foi torturada e fraturaram a mandíbula dela. Traz o raio X para a gente ver. Olha  que eu não sou médico, mas até hoje estou aguardando o raio X”, disse o presidente.

Indicação ao Oscar revolta extrema-direita brasileira que venera EUA

 

1462307706-21200587-747x429
Foto: Reprodução

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), também usou as redes sociais para comentar a indicação de ‘Democracia em Vertigem’ ao Oscar 2020 pela Academia de Artes dos Estados Unidos da America. A escolha do documentário brasileiro revoltou e está incomodando muito bolsonaristas, antipetistas e anti-esquerdistas.

Há um detalhe engraçado na indicação ao Oscar do filme “Democracia em Vertigem”. O prêmio é outorgado por uma entidade dos ESTADOS UNIDOS, país venerado pela extrema-direita com continências e submissões diversas’ destacou Flávio Dino no twitter.

Desde o inicio do processo de impeachment até sua conclusão em 31 de agosto de 2016, o governador Flávio Dino adotou uma postura publicamente contrária e se tornou uma das principais vozes contra a destituição da ex-presidente Dilma Rousseff e suas consequências ao país.