Gasolina e Diesel mais caros quarta-feira, dia 12

A Petrobras confirmou hoje o primeiro aumento de 2022, nos preços do diesel e gasolina a partir de quarta-feira, dia 12.

O diesel ficará 8% mais caro nas refinarias, a gasolina 4,85% em média nas distribuidoras.

O diesel passará de 3,34 para 3,61 reais por litro, enquanto a gasolina subirá de 3,09 para 3,24 reais por litro.

Dino é contra ‘solução’ de Guedes e Bolsonaro para Petrobras

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), contestou nesta terça-feira, dia 26, o presidente Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Gudes, que voltaram defender a privatização da Petrobras.

Ao contrário do que deseja Paulo Guedes, que para agradar o mercado quer privatizar tudo, principalmente a Petrobras, para Flávio Dino, ‘a solução não é privatização. É exatamente o contrário: desprivatização’.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, em evento que contou com prensa do presidente Jair Bolsonaro, ontem segunda-feira, dia 25, defendeu a venda da Petrobras para ampliar investimentos públicos e em tecnologia e bancar gastos sociais.

Gasolina, Diesel e Gás mais caros a partir desta terça-feira dia 6

Petrobras confirma aumento dos combustíveis a partir desta terça-feira, dia 6.

O diesel vai aumentar 6,3%; gasolina terá alta de 3,7%

Os preços de gasolina e diesel nas distribuidoras passarão para R$ 2,69 e R$ 2,81 por litro, respectivamente.

O gás liquefeito de petróleo (GLP) para distribuidoras passará a ser de R$ 3,60 por kg, um aumento médio de R$ 0,20 (6%) por kg.

O diesel subiu cerca de 40% e a gasolina 46% no acumulado do ano.

Com Informações do G1

Jair Bolsonaro bota o general Silva e Luna no comando da Petrobras

O presidente Jair Bolsonaro anunciou na noite desta sexta-feira, dia 19, a troca no comando da Petrobras. O general Joaquim Silva e Luna substituirá Roberto Castello Branco. O general Silva e Luna estava da direção-geral da Itaipu Binacional e foi ministro da Defesa no governo Temer.

O governo alega que a mudança não está relacionada a política de preços dos combustíveis. É esperar pra ver.

Estados e Municípios recebem R$ 11,73 bilhões nesta terça-feira (31)

 

foto07bra-111-royal-a8
Foto: Reprodução

O governo federal informou que vai fazer nesta terça-feira (31) a transferência de R$ 11,73 bilhões da cessão onerosa para estados e municípios.

O dinheiro de cessão onerosa é referente a um leilão de campos de petróleo que a União havia vendido em 2010 para a Petrobras. Como as regiões possuíam mais barris de óleo do que o previsto no contrato, o excedente foi leiloado em novembro de 2019.

O governo arrecadou, ao todo, R$ 69,96 bilhões com o leilão. Desse valor, R$ 34,4 bilhões foram pagos à Petrobras, R$ 23,86 bilhões ficaram com a União e o restante ficará com estados e municípios.

A fórmula de partilha com governos estaduais e municipais foi definida durante a discussão do tema no Congresso Nacional. Pelas regras aprovadas, o repasse aos estados seguirá um critério misto, com regras do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e da Lei Kandir.

No caso dos municípios, a verba será distribuída de acordo com os coeficientes que regem a repartição de recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).(Informações G1)

Leilão do Pré-Sal: “quem evitou um imenso vexame foi a Petrobras”

 

flavio dino e petrobras
Foto: Reprodução

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), comentou com O Antagonista o resultado do leilão de hoje do pré-sal.

Ele disse que a expectativa de arrecadação era bem superior, “até porque se tratava de um leilão de bens já cabalmente identificados e, portanto, de baixo risco”.

Assim como o deputado Marcelo Ramos (PL) — veja aqui –, Dino considera que questões políticas influenciaram no resultado.

“Creio que a opção política por táticas de permanente conflagração, gerando constantes instabilidades institucionais, é um dos fatores que quebra a confiança de investidores privados.”

O governador acrescentou que “quem acabou por evitar um imenso vexame no leilão foi a Petrobras, tão atacada nos últimos anos”. Na avaliação dele, “isso mostra que destruir todo o setor público não é um bom caminho”. (O Antagonista)

Para Weverton a Petrobras venceu o ‘entreguismo’ do governo no Pré-Sal

 

weverton
Senador Weverton (PDT-MA)/Foto: Reprodução

No twitter o senador Weverton (PDT-MA), se posicionou sobre o megaleilão do Pré-Sal, realizado nesta quarta-feira (6). O resultado frustou as expectativas do governo, e o vexame não foi maior por causa da Petrobras. Para o senador ficou claro que o livre comercio não é a solução para tudo, como quer convencer a todos o governo e principalmente o ministro da Economia.

‘A #Petrobras salvou o megaleilão do pré-sal do fracasso absoluto hoje. Um grito de NÃO AO ENTREGUISMO! O livre mercado não é salvação para tudo, como vimos. Outra lição do dia: os grandes investidores não confiam tanto nesse governo como os governistas pregam. #PreSal ‘, disse Weverton.

Bolsonaro autoriza e gás de cozinha fica mais caro a partir de hoje

 

botijao-de-gas (2)
Foto: Reprodução

O gás de cozinha está 5% mais caro a partir desta terça-feira (22)  nas distribuidoras. O reajuste terá impacto no consumidor final no preço do botijão de 13kg.

A previsão é que o reajuste represente um aumento de 3% para os consumidores residencias e comercias, ma pode ser bem maior, isto porque, os custos aumentam com mão de obra, logística, impostos e margem de lucro.

A informação foi dada pelo Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) e confirmado pela Petrobras.

“O Sindigás informa que suas empresas associadas foram comunicadas pela Petrobras, na tarde de hoje [21], sobre o aumento no preço do GLP residencial (embalagens de até 13kg) e empresarial (destinado a embalagens acima de 13 kg). O aumento passa a valer a partir de amanhã, dia 22 de outubro, nas unidades da petroleira. De acordo com as informações recebidas da Petrobras, o aumento do GLP residencial oscilará entre 4,8% e 5,3%, e o aumento do GLP empresarial entre 2,9% e 3,2%, dependendo do polo de suprimento”, informa a nota do SINDIGÁS.

(Revista Fórum)

Flávio Dino espera julgamento de Lula no STJ com base nas leis

 

Dino e Lula
Governador Flávio Dino e o ex-presidente Lula/Foto: Reprodução

O governador do Maranhão, Flávio Dino, se posicionou no inicio desta terça-feira (23), no twitter, sobre o julgamento hoje no STJ de um recurso contra a condenação do ex-presidente Lula, no caso do Triplex no Guarujá em São Paulo.

“Espero que hoje, com julgamento baseado nas leis, seja feita justiça ao ex-presidente Lula. A sentença sobre o tal triplex, tal como lançada, é juridicamente absurda, em vários aspectos: competência, exame dos crimes e das provas, dosimetria da pena etc”, disse no twitter o governador Flávio Dino.

O ex-presidente Lula foi condenado em 2017, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, pelo então juiz Sérgio Moro, atual Ministro da Justiça do governo Bolsonaro. Lula foi sentenciado a 9 anos e 6 meses.

No inicio de 2018, a decisão de Moro foi confirmada pelo TRF-4, tribunal de 2ª instância, que ampliou a pena de Lula para 12 anos e um mês de prisão. Para eles, Lula recebeu da OAS o apartamento em troca de contratos envolvendo a empreiteira e a Petrobras.

Para defesa de Lula, o ex-presidente é inocente porque não recebeu o apartamento como propina, e ainda, que não há provas no processo e que a Justiça Federal não tinha competência para analisar o caso, isso de acordo com entendimento do STF em relação a crimes conexos ao caixa dois.

Dallagnol não aparece para falar de acordo bilionário e deputados querem instalar CPI

 

cpi dalagnol
Cadeira reservada para Dallagnol ficou vazia durante o debate na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público; à mesa, o deputado Rogério Correia – Foto: Gabriel Paiva

Convidado pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara Federal, nesta quinta-feira (11), parar esclarecer o acordo que envolveria R$ 2,5 bilhões da Petrobras a uma fundação privada e administrada pela Lava Jato no Paraná, o procurador Deltan Dallagnol não compareceu.

Diante da ausência do procurador os membros da Comissão defenderam a instauração de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar essa e outras movimentações da Força-Tarefa do Ministério Público Federal (MPF).

Informações Revista Fórum