Cesar Pires e Wellington votaram contra o reajuste dos professores

 

welington e Pires
Deputados Cesar Pires (PV) e Wellington do Curso (PSDB)/Foto: Reprodução

Assembleia Legislativa do Maranhão aprovou nesta quinta-feira (6), o projeto de autoria do governo Flávio Dino (PCdoB), que reajusta o piso salarial dos professores do estado com 40 horas semanais em R$ 6.358,96, o piso nacional atualmente é de R$ 2.886,24.

Dos 27 parlamentares que participaram da sessão, apenas os deputados Cesar Pires (PV) e Wellington do Curso (PSDB) votaram contra o projeto e consequentemente o reajuste salarial dos professores.

O deputado Adriano Sarney(PV), também de oposição ao governo Flávio Dino, votou a favor do reajuste mesmo contestando. Ele ainda apresentou uma emenda ao Projeto, mas não foi aprovada.

“..votei a favor mesmo considerando que o Projeto de Lei não é o ideal, mas contem um aumento e por essa razão votei a favor..”, justificou Adriano Sarney.

Cesar Pires e Wellington optaram em transformar a tribuna da Assembleia em palanque e se submeterem a pressão do grupo de professores que estava na galeria e que fazem oposição a atual direção do Sindicato dos Professores.

‘CPI das Transferências no Curso de Medicina em Caxias’ já tem 15 assinaturas

 

WhatsApp-Image-2019-05-21-at-10.32.55
Deputados Yglésio Moisés (PDT) e César Pires (PV) denunciaram transferências para Curso de Medicina de Caxias/Foto: Reprodução

Foi denunciado na Assembleia Legislativa do Maranhão na manhã desta quarta-feira (28), ‘transferências suspeitas’ de universitários que estudam medicina em países como  Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai para o curso da UEMA (Universidade Estadual do Maranhão) em Caxias.

O caso chegou ao conhecimento dos parlamentares a partir de relatos de estudantes, professores e lideres estudantis. Segundo a denuncia, as prováveis irregularidades nas transferências estariam causando prejuízos ao curso e revolta na instituição.

Após ser tornado público através da tribuna da Assembleia pelos deputados Cesar Pires (PV) e Yglésio Moisés (PDT) foi solicitado a instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que de imediato obteve 15 assinaturas, suficiente para ser protocolado junto à mesa diretora do Poder Legislativo Estadual.

O autor do pedido da CPI é o deputado Yglésio, que também é médico. De acordo com ele, o curso de medicina em Caxias tem capacidade para cerca de 35 vagas, mas já foram autorizadas 17 transferências. O objetivo da comissão será esclarecer como está se dando esse processo.

“Quando você tem 17 decisões no mesmo sentido, quando você tem todas as medidas liminares concedidas pelo mesmo magistrado em Caxias, que tem três Varas Cíveis.., nós começamos aqui a ver problema no curto horizonte”, disse Yglésio ao defender a CPI.

As transferências estão sendo autorizadas através de liminares determinadas pela Justiça em Caxias. Os beneficiados são brasileiros que cursam medicina em universidades particulares estrangeiras.

Para Rafael Leitoa oposição quer tirar do estado administração do Porto e prejudicar o Maranhão

 

rafael leitoa
Deputado Rafael Leitoa (PDT)//Foto: Reprodução

Coube ao líder do governo na Assembleia Legislativa, Rafael Leitoa (PDT), nesta terça-feira (9), esclarecer as reais intenções dos deputados de oposição. De acordo Leitoa, por trás do discurso de apurar irregularidades no Porto do Itaqui, está o desejo de tirar do estado a administração do Porto.

Para o deputado estadual Rafael Leitoa a oposição no Maranhão com objetivo de causar  embaraços e desgaste político a Flávio Dino através dos deputados César Pires (estadual) e Edilázio Júnior (federal), que tentam criar uma crise no Porto do Itaqui, mesmo eles sabendo que poderiam causar um prejuízo maior ao Maranhão.