PT, PCdoB e PV registra a Federação nesta segunda-feira dia 18

A Federação envolvendo o PT, PCdoB e PV será formalizada nesta segunda-feira, dia 18, com o nome de ‘Federação Brasil da Esperança’, as siglas atuarão juntas nas eleições e no Congresso Nacional.

A direção terá 18 membros, os presidentes dos partidos são membros natos, as outras 15 vagas serão preenchidas de forma proporcional aos votos obtidos nas eleições.

A deputada Gleisi Hoffmann (PT), presidirá a Federação; Luciana Santos (PCdoB), será a primeira vice-presidente; e José Luis Penna (PV), segundo vice.

No twitter a deputado federal, Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, comemorou a formalização da Federação e união com outros partidos do campo progressista para derrotar Jair Bolsonaro.

Abaixo a nota dos partidos informando como funcionará a Federação:

As direções nacionais do PT, PCdoB e PV registram nesta segunda-feira (18) o estatuto e o programa da Federação Brasil da Esperança (FE Brasil). Os documentos foram aprovados em reunião no último domingo.

A Assembleia Geral da Federação, órgão máximo de deliberação, será composta por 60 membros, sendo 9 vagas distribuídas igualmente (3 por partido) e 51 distribuídas na proporção dos votos obtidos por cada partido nas eleições para a Câmara dos Deputados de 2018.

As deliberações da Assembleia Geral serão tomadas por maioria de três quartos de seus membros.    Na composição da Assembleia Geral, cada partido terá de indicar no mínimo 30% de mulheres e no mínimo 20% respeitando o critério étnico-racial.

A Comissão Executiva Nacional da Federação terá 18 membros. Os presidentes de cada um dos partidos são membros natos da comissão e as outras 15 vagas seguirão à proporção dos votos obtidos na eleição para a Câmara de 2018.

A primeira presidenta da FE Brasil será a deputada Gleisi Hoffmann (PT); a primeira vice-presidenta, Luciana Santos (PCdoB), e o segundo vice, José Luís Penna (PV).

O mandato é de um ano, com rodízio entre os presidentes de cada um dos partidos, podendo haver recondução por decisão unânime.

Os partidos da FE Brasil atuarão em conjunto no Congresso e na sociedade para promover a reconstrução do país, a defesa da soberania nacional, da democracia e dos direitos do povo, para fortalecer a candidatura do presidente Lula e sua base parlamentar.

Federação: PT, PCdoB e PV se reúnem no Maranhão

Presidentes dos diretórios do PT, PCdoB e PV no Maranhão se reuniram nesta quarta-feira, dia 9, com objetivo de avançar na formação de uma federação para as eleições 2022.

Márcio Jerry (PCdoB), Francimar Melo (PT) e Adriano Sarney (PV) se encontraram na sede do PT em São Luís e saíram do encontro otimistas com o entendimento entre os três partidos.

“Reuni hoje com os presidentes do @ptbrasil no MA, Francimar @francimarmmelo ; e do PV, deputado Adriano @AdrianoSarney . Na pauta montagem no Maranhão da federação entre os três partidos. Ótimo diálogo”, comemorou Márcio Jerry.

“Hoje recebi na sede do PT o Presidente do PCdoB, @marciojerry e o Presidente do PV, @adrianosarney. Na oportunidade discutimos acerca da federação nacional e estadual para que se fortaleça as chapas federais, estaduais e majoritárias em nosso estado”, disse Francimar Melo.

“Hoje estive reunido com o presidente do @ptbrasil no MA, @francimarmmelo, e o presidente do @PCdoBMaranhao, @marciojerry, para tratar sobre a federação partidária PV, PT e PCdoB. Um diálogo franco e produtivo. Vamos em frente!”, destacou Adriano Sarney.

MDB não participará de federação nas eleições 2022

O deputado Baleia Rossi (MDB-SP), presidente nacional do MDB, informou nas redes sociais que a sigla não formará federação com outras as siglas nas eleições de 2022.

O MDB vinha discutindo com PSDB e União Brasil a formação de federação, mas decidiu seguir com o nome da senadora Simone Tebet (MDB-MS) para presidência da república, que no próximo dia 10 será a voz do partido nas inserções de TV, porém aberto para uma alternativa de candidatura única do centro democrático.

Eleições 2022: PT, PSB, PCdoB e PV voltam discutir Federação

Da Carta Capital

PT, PSB, PCdoB e PV voltaram a discutir nesta semana em Brasília o processo de federação entre os quatro partidos. Apesar de considerarem positiva a reunião não avançou em aspectos cruciais para sua consolidada que são escolhas entre PT e PSB em estados-chaves.

“Foi uma boa reunião, em que iniciamos a discussão do estatuto da federação, com grande grau de convergência. Continuaremos na próxima segunda feira as conversações”, disse a presidenta do PT, deputada Gleisi Hoffmann.

Um dos principais objetivos do encontro foi avançar no estatuto da federação. Como envolve partidos de diferentes tamanhos, discutiu-se um mecanismo para evitar que uma força imponha, isoladamente, uma determinação.

Também foi debatido a composição de uma assembleia da federação. Ela seria formada por 50 membros, divididos de acordo com o peso de cada sigla na Câmara: 27 do PT, 14 do PSB, 5 do PCdoB e 4 do PV.

PSB tem pressa na federação com PT e PCdoB

A bancada federal do PSB formalizou quarta-feira, dia 1º, durante reunião com o presidente nacional da sigla, Carlos Siqueira, posição favorável à federação, chamada de “ampla”, de partidos de esquerda.

Dos 25 parlamentares presentes, 24 defenderam o mecanismo, que nasceu como tábua de salvação do PCdoB, mas, agora, parece arrastar a simpatia, ao menos, de socialistas e petistas. O único deputado socialista a se posicionar contra foi Heitor José Schuch (RS).

Os outros 24 defenderam que partido deveria avaliar, sim, o indicativo da bancada de que o melhor caminho do ponto de vista de aliança para composição das chapas proporcionais é o PSB intregrar uma federação com os partidos da esquerda junto com PT e PCdoB. As conversas também se dão com o PSOL, mas não há definição.

Os deputados não só querem a federação, como têm pressa em acelerar o processo. Levando em conta a construção proporcional, eles veem necessidade de precipitar isso com base em deliberação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que prevê definição até março.

Na prática, os parlamentares foram à ponta do lápis: terão 120 dias, a contar de ontem, para avançar e formalizar esse entendimento. Considera-se que isso vai exigir, além da constituição de um estatuto comum responsável por orientar as relações dos partidos que poderão compor, mas ainda uma validação partido a partido e isso exige tempo. De toda forma, as pedras têm sido movidas de forma sincronizada entre PT e PSB. (Folha de Pernambuco)

Flavio Dino confirma providências contra retaliação determinada por Bolsonaro

 

dino_bozo
Flávio Dino, governador do Maranhão, disse que tomará providencias contra determinação de retaliação de Jair Bolsonaro ao Nordeste e ao Maranhão/Foto: Reprodução

Durante entrevista à Rádio Gaucha terça-feira (23), o governador Flávio Dino (PCdB), ratificou que adotará providências em relação à retaliação determinada por Jair Bolsonaro (PSL), contra ele e o Nordeste, revelada no vídeo do café da manhã com correspondentes internacionais semana passada.

A fala do presidente considerada de conotação preconceituosa contra os estados do Nordeste, principalmente ao Maranhão, causou grande polêmica e repercussão rapidamente no país. No vídeo Bolsonaro diz de modo informal a Onix Lorenzoni, ministro da Casa Civil.

‘.. daqueles governadores de paraíba, o pior é o do Maranhão.., tem que ter nada para esse cara..’, Bolsonaro a Onix Lorenzoni.

Nesta quarta-feira (24), também em entrevista à Rádio Gaucha, o ministro Onix Lorenzoni, questionado sobre a crise com os governadores do Nordeste, disse que Jair Bolsonaro se referiu apenas aos governadores da Paraíba e Maranhão.

“Esses dois, principalmente, têm um discurso em Brasília e outro em suas bases”, Onix Lorenzoni, Casa Civil.

ENTREVISTA NA RÁDIO GAUCHA COM FLÁVIO DINO SOBRE O ASSUNTO