Prefeito do Maranhão confirma pedido de propina em ouro

Três prefeitos confirmaram denúncias de corrupção na gestão de Milton Ribeiro no Ministério da Educação (MEC), em oitiva nesta terça-feira (5) na Comissão de Educação (CE) do Senado.

Eles afirmaram ter recebido de dois pastores evangélicos Arilton Moura e Gilmar Santos pedido de propina para facilitar a liberação de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Confirmaram as denúncias de corrupção os prefeitos Gilberto Braga, de Luís Domingues (MA); José Manoel de Souza, de Boa Esperança do Sul (SP); e Kelton Pinheiro, de Bonfinópolis (GO). Calvet Filho, prefeito de Rosário (MA), e Hélder Aragão, Anajatuba (MA), negaram ter recebido pedidos de propina.

Segundo prefeito Gilberto Braga (PSDB), de Luís Domingues (MA), seu encontro teria ocorrido no dia 7 de abril de 2021, em Brasília, na presença de 20 a 30 prefeitos. Moura teria abordado Braga diretamente para saber quais demandas ele teria para o MEC e, “sem pedir segredo”, requereu R$ 15 mil e 1 kg de ouro para protocolar os pedidos.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento convidando os prefeitos, qualificou o esquema de corrupção de “chinfrim”, “cínico”, “nojento” e “vulgar”. Ele louvou a “coragem” dos prefeitos que vieram a público relatar as conversas que tiveram com os pastores. (Informações Uol e Agencia Senado).

Milton Ribeiro sai do governo em 1º de abril, ‘dia da mentira’

Segundo publicação do Blog o Antagonista, desta segunda-feira, dia 28, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, deixará a pasta na próxima quinta-feira, dia 1º de abril, conhecido como o ‘dia da mentira’.

Milton Ribeiro está no centro de mais um escândalo do governo Bolsonaro envolvendo pastores evangélicos e prefeitos com recurso do FNDE. O caso foi revelado pela Folha de São Paulo, semana passada.

O presidente Jair Bolsonaro chegou a dizer na sua live da última quinta-feira, dia 24, que colocaria a ‘cara no fogo’, por Milton Ribeiro.

No lugar de Milton Ribeiro no MEC, assumirá Garigham Amarante, diretor de Ações Educacionais do FNDE e apadrinhado de Valdemar Costa Neto.

Ministro da Educação diz priorizar pastores a pedido do presidente

O Jornal Folha de SP, destaca nesta terça-feira, dia 22, que o ministro da Educação, Milton Ribeiro, confirmou em encontro que o governo Bolsonaro prioriza liberação de verbas através do MEC com prefeituras, que tem como intermediários na negociação os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura.

“..Foi um pedido especial que o presidente da república fez para mim sobre a questão do pastor Gilmar”, diz Milton Ribeiro.

O pastor Gilmar Silva dos Santos, que nasceu em São Luís (MA), lidera a Igreja Ministério Cristo Para todos, em Goiânia (GO), ligada a Assembleia de Deus.

Segundo a publicação, em 2021 o Maranhão teve 96 municípios contemplados com 276 empenhos atendidos pelo FNDE. Num total de R$ 684 milhões, em obras ou aquisição de equipamentos.

Aqui áudio do ministro Milton Ribeiro

Covid: MEC proíbe exigência de vacinação em instituições federais

O governo Bolsonaro, através do Ministério da Educação, está proibindo instituições de educação federais exigirem comprovação de vacina contra Covid-19, nas atividades presencias.

A medida está publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, dia 30, e assinada pelo ‘terrivelmente bolsonarista’ ministro, Milton Ribeiro (Educação).

Senador Fabiano Contarato aciona ministro da Educação no STF por homofobia

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES), homossexual assumido, apresentou nesta quinta-feira (24), ao Supremo Tribunal Federal, notícia-crime contra o ministro da Educação, Milton Ribeiro, por homofobia. 

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o ministro disse não concordar com a homossexualidade e ver “com reservas” a presença de professores transgêneros em sala de aula. Ele também afirmou que a homossexualidade surge de “famílias desajustadas”. 

“Acho que o adolescente que muitas vezes opta por andar no caminho do homossexualismo (sic) tem um contexto familiar muito próximo, basta fazer uma pesquisa. São famílias desajustadas, algumas. Falta atenção do pai, falta atenção da mãe. Vejo menino de 12, 13 anos optando por ser gay, nunca esteve com uma mulher de fato”, disse Ribeiro.

(Informações Conjur)