Flávio Dino se reunirá com Bolsonaro, mas avisa que continuará crítico responsável e contumaz

 

dino-bolsonaro-600x300 (1)
Flávio Dino e Jair Bolsonaro devem se reunir em Brasília, na quinta-feira (9)/Foto: Reprodução

Para quem imaginava remota a possibilidade de Flávio Dino (PCdoB) e Jair Bolsonaro (PSL), sentarem à mesa para tentarem se entender e discutir demandas do Brasil e o Maranhão, terá que rever o modo de vê política.

Durante entrevista no último sábado (4), na TV Difusora, ao ser questionado sobre a relação com Bolsonaro, o governador do Maranhão Flávio Dino, um dos mais contumazes e duros críticos do presidente e as medidas que vem adotando, informou que eles se reunirão na próxima quinta-feira (9), em Brasília.

A reunião de Bolsonaro e Dino ocorrerá dias antes da visita que o presidente fará ao Maranhão, ainda este mês, como vem sendo comentado nos bastidores da política e imprensa local.

O encontro deve agitar a agenda política em Brasília, considerando atual conjuntura política e social no país, colocará frente a frente visões completamente antagônicas. Ao falar da reunião Flávio Dino avisou que independente de qualquer coisa, não recuará da sua postura critica em relação ao governo Bolsonaro.

“A minha principal contribuição que possa prestar ao governo federal, é continuar fazendo uma boa oposição. Critico o governo firmemente lutando pra ver se acha um bom caminho. É a primeira vez que sou chamado pelo presidente da República para uma audiência que acontecerá, na quinta-feira. Lá estarei. Eu já havia pedido formalmente desde janeiro. Se o presidente vier ao Maranhão também, se depender de mim, se ele quiser, será bem recebido, como eu recebo todo mundo com educação e nos termos da lei, independentemente da minha posição crítica”, destacou Flávio Dino.

Filho de Jango para Bolsonaro: “Não vai destruir a história do meu pai”

 

Plenário do Congresso
João Vicente Goulart. filho do ex-presidente Jango/Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

A determinação de Jair Bolsonaro para celebrar o 31 de março, ainda continua provocando reações contra uma das mais recentes polêmicas causadas pelo presidente. A mais nova manifestação contrária a medida foi de João Vicente Goulart, filho de João Goulart, (o Jango), que era Presidente da República, quando ocorreu o ‘Golpe de 64’.

“Ele está comemorando uma tragédia que se abateu sobre o povo brasileiro durante 21 anos de obscurantismo. Durante 21 anos o povo brasileiro foi impedido de votar para presidente da república. Durante 21 anos foi fechado várias vezes o Congresso Nacional”, afirmou o filho de Jango em entrevista à agência de notícias Uniceub (Centro Universitário de Brasília).

Para minimizar a polêmica e o desgaste do governo, esta semana o presidente Bolsonaro resolveu mudar o termo de “comemoração”, para “rememoração”.

(Do Congresso em Foco)

82 declarações falsas ou distorcidas do Presidente Bolsonaro em 68 dias

 

bolsonaro-livro
Presidente Jair Bolsonaro/Foto: Reprodução

FORUM – Nesta segunda-feira (11), após divulgação de mais uma fake news nas redes sociais do presidente Bolsonaro, desta vez sobre o áudio vazado de uma jornalista do Estadão, a agência de checagem Aos Fatos divulgou um levantamento que constata o grau de divulgação de informações falsas ou distorcidas por parte do presidente.

De acordo com o estudo, em 68 dias foram 82 declarações falsas ou distorcidas.

Ao todo, de acordo com a agência, foram 149 declarações “passíveis de checagem”. A média de informações falsas ou com algum grau de erro disseminadas pelo capitão da reserva é de 1,4 por dia.

A agência informa ainda que os temas mais frequentes de fake news do presidente são economia, ideologia, ou o que Bolsonaro chama de “viés ideológico” e declarações a respeito de nomeações para a equipe de governo.

O levantamento tem como inspiração uma iniciativa do jornal estadunidense Washington Post, que mantém uma coluna de checagem sobre as declarações do presidente Donald Trump.

Confira a íntegra do estudo aqui.