“..foi à CPI e não pôde defender certos absurdos..”, Dino sobre Queiroga

Do Uol

‘Foi uma espécie de retaliação’, segundo o governador, Flávio Dino (PCdoB), o ‘parecer de desobrigação do uso da vacina’ pedido ao ministro Marcelo Queiroga, pelo presidente Jair Bolsonaro.

Ainda para Dino, nenhum médico do Brasil liberaria o uso de máscara nesse momento.

“O ministro foi à CPI e não pôde defender certos absurdos. A minha visão é que as atitudes do presidente, chamando-o de modo depreciativo, [como quando disse] ‘esse tal Queiroga’, e essa encomenda impossível de ser atendida, eu acredito que infelizmente foi uma retaliação do presidente da República contra o seu ministro (..) O Bolsonaro não consegue conviver com qualquer pessoa que minimamente discorde dele”, afirmou Flávio Dino.

Carlos Lula vai à CPI da Covid-19 como Presidente do CONASS

O secretário de Saúde do Maranhão, Carlos Lula, se antecipou nesta quinta-feira, dia 10, a possíveis especulações e distorções da verdade sobre sua participação na CPI da Covid-19, como de Presidente do CONASS (Conselho Nacional de Secretários de Saúde).

“O CONASS foi convidado a dar sua contribuição na CPI da Pandemia. Como presidente, estarei na Comissão para esclarecer o que for necessário. Temos muito a falar sobre esses 15 meses de enfrentamento”, anunciou Carlos Lula.

“..temos um ministro da Saúde que não manda nada..”, Eliziane sobre Queiroga

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), disse nessa terça-feira, dia 8, que o novo depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na CPI da Covid-19, mostro que ele é ministro mas não manda.

“O depoimento de Marcelo Queiroga mostra que temos um ministro da Saúde que não manda nada. O ministro não teve autonomia para contratar Luana Araújo e também não tem para demitir a Mayra, omite-se sobre as aglomerações do Presidente. Pisa em ovos para não contrariar o chefe. Falta coragem!”, destacou Eliziane nas redes sociais.

JN desmente Yamaguchi e mostra MA com menor taxa letalidade

O Jornal Nacional desmentiu na noite desta terça-feira, dia 1º, a informação que a Dra. Nise amaguchi deu durante a CPI da Covid-19, que o Amapá teria a menor taxa de letalidade por coronavírus no Brasil em razão do uso de cloroquina.

Na verdade o Amapá está à frente de 11 estados em letalidade, a unidade da federação com a taxa de mortalidade pela Covid-19 é o Maranhão.

“..vou me inteirar, mas informo que não vejo problema..” Edivaldo sobre CPI

A CPI da Covid-19 no Senado Federal inicia a partir desta quarta-feira, dia 26, definir nova fase dos trabalhos. Nessa etapa deverão ser ouvidos gestores estaduais e municipais e também ex-gestores.

Nesse contexto surgiu a especulação sobre possibilidade do ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Junior, ser convocado para prestar esclarecimentos na CPI.

O ex-prefeito se posicionou nas redes sociais informando que procuraria se informar sobre o fato, mas que não via nenhum problema em atender a convocação da CPI.

“.. como ex-prefeito, com tranquilidade me coloco à disposição para ajudar no que for necessário para informar sobre as medidas que adotamos para o enfrentamento da pandemia em São Luís..”.

Devem ser votados nove governadores e ex-governadores e de 12 prefeitos e ex-prefeitos.

Entre os nomes confirmados nos requerimentos estão o do governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, e o do ex-governador do estado Wilson Witzel, que sofreu impeachment após ser acusado de crime de responsabilidade nas contratações da secretaria de Saúde para enfrentamento da pandemia de covid-19. Outro nome confirmado pelo presidente foi o do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha.

Lewandowisck é o relator do ‘HC boca de siri’ de Pazuello na CPI

O ministro do STF, Ricardo Lewandowisck, será o relator do habeas corpus preventivo em favor de Eduardo Pazuello, para que ele responda apenas o que quiser na CPI da Covid.

O general e ex-ministro da Saúde, Pazuello, está com depoimento marcado para às 10h, da próxima quarta-feira, dia 19. Ele comandou a pasta no momento mais crítico da pandemia.

A AGU no ‘HC boca siri’ pede ao STF o direito do ex-ministro ao silêncio, resguardando-se a responder às perguntas que, a seu juízo, não possam levar à sua autoincriminação.

“Muitas mortes poderiam ser evitadas”, Weverton sobre negligencia à Pfizer

O senador Weveron (PDT-MA), reagiu com indignação nesta quinta-feira, dia 13, sobre a negligencia do governo Bolsonaro em relação a aquisição da Pfizer, evidenciada hoje no depoimento Carlos Murilo, gerente-geral Pfizer na América Latina, hoje na CPI da Covid-19 .

“É revoltante saber que o Brasil recebeu a oferta de 70 milhões de doses da Pfizer e que 1,5 mi de brasileiros poderiam já ter sido vacinados em 2020. A informação do representante da Pfizer na CPI da Covid mostra que o governo demorou a agir. Muitas mortes poderiam ser evitadas”, Weverton no twitter.

Carlos Murilo confirmou que a Pfizer fez três ofertas para aquisição em agosto do ano passado, mas o governo Bolsonaro ignorou. As negociações iniciaram em maio de 2020.

O Brasil era para ter até o segundo trimestre de 2021 cerca de 18,5 milhões de doses. As primeiras remessas teriam chegado em dezembro do ano passado.

“Negligência e imperícia matam”, Dino sobre governo Bolsonaro ignorar Pfizer

O governador, Flávio Dino (PCdoB), reagiu com indignação à confirmação nesta quarta-feira, dia 12, na CPI da Covid-19 no Senado, que o governo Bolsonaro negligenciou a oferta da vacina Pfizer.

“Atrasar irresponsavelmente a compra da vacina Pfizer custou a vida de dezenas de milhares de pessoas. Negligência e imperícia matam. Quem responderá por isso?”, Flávio Dino.

Hoje na CPI, o ex-secretário de Comunicação do governo Bolsonaro, Fábio Wanjgarten, confirmou o recebimento de uma carta da Pfizer enviada ao governo em 12 de setembro com objetivo de negociar a compra de 70 milhões de doses da vacinas que foi ignorada.

Barra Torres sofrerá pressão na CPI sobre liberação de Sputnick V

Do Uol

Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), será ouvido nesta terça-feira, dia 11, na CPI da Covid no Senado. A expectativa é que seja pressionado para explicar prazos de liberação de vacinas.

No contexto da liberação de vacinas a relacionado à Sputnik V deverá suscitar grande parte da discussão.

O governo do Maranhão pleiteou através de Ação Judicial e ontem o ministro do STF, Ricardo Lewandowisck, deu 48 horas, para a Anvisa informar, sobre documentos e análise em definitivo sobre autorização da importação da vacina Sputnik V.

Senadoras discutem com Senadores Bolsonaristas na CPI da Covid

Da CNN Brasil

A sessão da CPI da Covid-19 nesta quarta-feira, dia 5, foi marcada por uma discussão entre senadores por causa da participação da bancada feminina nos trabalhos da comissão – a oitiva chegou a ser suspensa por alguns minutos em razão do bate boca.

A confusão começou depois de o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), permitir que a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), como membro da bancada feminina, fizesse questionamentos a Teich antes dos demais membros titulares da comissão. 

Apesar de não haver mulheres entre os 11 membros da CPI, as senadoras que fazem parte da bancada feminina acompanham os trabalhos e, pelo regimento do Senado, podem fazer questionamentos depois dos membros titulares e suplentes da comissão – elas não tem, porém, direito a voto.

Aziz disse que fez uma concessão, em nome da mesa da CPI, após acordo na sessão da comissão na véspera, mas senadores governistas, como Ciro Nogueira (PP-PI) e Marcos Rogério (DEM-RO) questionaram a decisão.